32 - "Palavras Têm Poder" PDF Imprimir E-mail
Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 

     

 

 

Introdução-Luiz Claudio Barsoteli

Narração: -Samuel Chaves

Música Incidental: Jesus , Joy of Man's Desire

 

                                 



O EVANGELHO DE JESUS: EPISÓDIO 32 : 

“PALAVRAS TÊM PODER

 (baseado nos evangelhos segundo Mateus 5:33-37  )

Também ouvistes o que foi dito aos antigos: “não jurarás falso, mas cumprirás para com o Senhor todos os teus juramentos". Eu porém vos digo que absolutamente não jureis, nem pelo céu porque é o trono de Deus ,nem pela terra, porque é o escabelo de seus pés, nem por Jerusalém, porque é uma cidade do grande rei, nem jures pela tua cabeça, porque nem um só cabelo podes tornar branco ou preto. Mas seja vossa palavra: sim, sim: não, não. Pois tudo o passa disso, procede do mal.

 

COMENTÁRIOS: A multidão que se encontrava na planície , aos pés do monte , continuava a ouvir extasiada (em sua maioria ) , admirada (alguns)  , surpresos (outros) e enraivecidos (uns poucos inimigos gratuitos do poeta galileu) . A cada novo comentário , a cada nova observação , tornava-se mais evidente que eles não estavam diante de um simples pregador intinerante , mas de um jovem com  espírito e autoridade de profeta com “ um que a mais”...

 

Aliás , profetas do passado , de reputação ilibada  , moral nobre  e procedimento  condizente eram hábeis em utilizar das palavras para transmitir ao povo palavras de ordem para que o sentido de  auto-observação vigilante , arrependimento sincero e transformação de conduta  não os levassem para os abismos morais e degradação social. Desde os tempos da conquista sanguinária de Canaã , “a terra prometida” ,os governantes  indignos passaram a ocupar os tronos de poder temporal ,utilizando de palavras falsas, vãs  e exemplo pouco digno de ser copiado. A população seguindo os maus exemplos , passaram a se afastar  dos caminhos de Deus , estabelecidos nos dez mandamentos da  Torá e passaram a  amar mais a si mesmos que as sábias palavras de sabedoria e paz profunda dos dez mandamentos das leis de Deus.

 

Como consequência , era inevitável que este povo se tornasse mais egoísta, orgulhoso, vaidoso e narcisista. Por esse motivo , Deus derramou sobre certos homens , os dons de poder ouvir as vozes dos espíritos superiores, anjos do Senhor , que traziam as recomendações do verdadeiro arrependimento e volta para as asas protetoras da sabedoria, evitando, assim, a insanidade e perdição. Pelas palavras proferidas destes, a uns  agrediram , a outros torturaram e a outros mataram...

 

 Jesus, o divino amigo , que melhor unia as palavras com as ações , , sabia que os homens são melífluos em suas palavras , mas que suas línguas são venenosas como as serpentes e áspides do deserto. O indívíduo para credenciar-se realmente ao reino dos céus necessitaria renunciar a todo o mal ...não apenas nas palavras e atos...mas também nos pensamentos

 

Para convencer seus ouvintes da necessidade não apenas de ser consolados por ser verbo sacrossanto ,mas também induzí-los a comprometer-se com a metanóya transformadora , de regenerar o próprio comportamento , em benefício do bem estar e evolução espiritual ,ele  apontava para a direção do valor dos compromissos verbais não apenas para com Deus, mas principalmente nos inter-relacionamentos  com os demais homens , a quem deveriam amar com a mesma sinceridade que diziam amar ao todo poderoso Deus.

 

Ele sabia que as palavras poderiam enganar como um ilusionista e  criar problemas  de variada ordem , principalmente para  a vítima do engabelador. Até mesmo as  “mentirinhas” socialmente aceitas deveriam ser evitadas , pois o coração do servo fiel a Deus não encontra  mácula . A palavra é de prata , podendo ajudar, esclarecer, orientar, libertar , consolar, educar ,solidarizar e iluminar as vidas alheias...e deveria prioritariamente ser usada para isso...do contrário , seria preferível o silêncio de ouro , que não comprometeria com as leis de Deus o presente e o futuro.

 

O judeu de seu tempo, assim como também o homem contemporâneo ,para dar mais autoridade às suas palavras jurava por Deus, pelo seu trono , pelo seu reino ,pelo templo ,pelas ofertas ao templo e etc...Ele ,então , estabelece uma orientação que relembra os mandamentos contidos nos dez mandamentos que diz:

Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente aquele que tomar o seu nome em vão.” ( confira em Ex 20:7  ,  Det 5:11) e Nm 30:3)

O homem , que não tem poder de mudar a pigmentação de seu próprio cabelo , não tem o poder de sequer imaginar a vontade de Deus, suas sacrossantas e sábias leis para com os homens ( representado por seus pés na terra)  e tão pouco manipular o justo julgamento divino (representado pelo trono) e muito menos ainda por Jerusalém ( cidade que representa a guardiã das leis escritas).

Ao próximo , um igual na hierarquia de valores perante o Pai Celeste , caberia ao homem usar apenas as palavras justas e necessárias...nem uma  a mais ( simbolizando sofisma ou demagogia) ou  a menos ( representando intenções ocultas ,sem transparência  e má intencionadas).Por detrás das palavras não deveriam esconder-se falsidades, armadilhas ou segundas intenções.

Ele adianta-se  a  esclarecer que o mal  é a raiz de todo o sofrimento colhido  pelo homem. E fica subentendido que se as palavras , como sementes , não forem bem pensadas ,pesadas e ponderadas , poderão ser semeadas nas vidas das pessoas levando-as ao erro ou padecimentos desnecessários , mas  aquele que assim semear  , egoisticamente , não tardará a colher amarga ceifa , seja nesta ou em outras vidas por vir .

Aos seus discípulos orientava não acrescentar palavras  nas orações ao Supremo Criador do Universo , como se fosse negociar e barganhar bênçãos pois ele já sabia o que de fato necessitávamos  e o que de fato acontecia dentro de nossos corações e seria impossível  iludí-lo , envaidece-lo  e enganá-lo( confira em Mt 6:7-8)

Da mesma forma , no trato com as pessoas, nossas mentes e corações não poderiam permitir que nossa boca pronunciasse outras palavras que não fossem a sinceridade ou promotoras da paz e concórdia. Muitos seriam vistos como  ingênuos , tolos e  até mesmo dissimulados e mentirosos , assim como foram considerados os profetas do  passado.

Muitos de nós comprometem os futuros renascimentos através de pequenas mentiras, pequenas intrigas e pequenos falsos e  demagógicos juramentos...

Por isso, para educar nossa alma e prevenir  sofrimentos desnecessários ,  era necessário manter o contato frequente e constante com o Pai Celeste , através das orações  , das leituras das sábias escrituras e  da práticaincondicional , sincera e  fiel ao bem...Só assim , ao abrir a boca , o homem falaria conscientemente ,“Sim, sim ou Não, não”...o que passasse disso seria  de procedência do Mal...

 

....................

Se você gostou deste episódio, ajude a divulgar  “O Evangelho Comentado de Jesus” com seus amigos nas redes sociais. Nosso endereço é http://terraespiritual.com.br. Ajude a espalhar a luz do Cristo entre os homens!

 


 

 

 

 
Joomla SEO by AceSEF